Yoga | Benefícios são superiores comparados a outros exercícios?

Afinal, existem evidências para a defesa de que os benefícios do Yoga são superiores a outros exercícios como correr ou andar de bike?

Neste post iremos observar uma revisão a respeito da comparação dos benefícios observados com a prática do Yoga em relação a outros exercícios físicos. Em especial iremos olhar os impactos sobre a regulação e equilíbrio do sistema nervoso.

O trabalho é uma revisão intitulada “The health benefits of Yoga and exercise” publicado em 2010 no jornal de medicina alternativa e complementar. Ela traz um panorama bem delineado sobre os benefícios relatados pelas práticas, com correspondentes cognitivos e fisiológicos. É uma das revisões mais atuais sobre o recorte, embora existam outras mais recentes sobre o uso do Yoga na clínica. Em particular, esse trabalho se ocupou pela observação do Yoga versus exercícios aeróbicos de baixa intensidade.

Yoga, um universo inteiro

Yoga é uma prática milenar interessada no equilíbrio sistêmico do indivíduo observando suas nuances corporais, mentais, emocionais e espirituais. Possui múltiplos aspectos relevantes à sua experiência: yama (ética universal), niyama (ética individual), asana (posturas físicas), pranayama (controle respiratório), pratyahara (controle dos sentidos), dharana (concentração), dyana (meditação) e samadhi (felicidade [1]).

Uma crescente de estudos em neurofisiologia clínica elencaram o Yoga como proposta de intervenção para diferentes patologias e condições como a depressão, ansiedade, esquizofrenia, obesidade, etc.

Grande parte desses estudos acreditam que certas práticas do yoga melhoram o bem estar físico e mental através da regulação do eixo hipotálamo-adrenal (HPA) e o sistema nervoso simpático (SNS).

Antes de prosseguir, alguns conceitos importantes.

O eixo HPA compõe um sistema neuroendócrino que controla respostas ao estresse e regula outros importantes processos no corpo humano, como a digestão, a resposta imune, humor, alocação de energia e sexualidade.

Já o SNS se trata de uma parte da divisão do sistema nervoso autônomo e é responsável por respostas estimulatórias no indivíduo, atuando no mecanismo de luta ou fuga. Ele é responsável por fazer o seu coração acelerar e sua “adrenalina ir a mil” se tiver que fugir de um carro desgovernado, por exemplo.

Tanto o eixo HPA quanto o SNS são ativados como resposta a estímulos físicos ou psicológicos externos, os chamados estressores. Daí, uma série de cascatas neuroquímicas são ativadas, primariamente como resultado da liberação de cortisol e outros neurotransmissores, levando a uma situação de hipervigilância. Com o passar do tempo, o estado de hipervigilância disparado pela desregulação do eixo HPA e do SNS pode levar ao acometimento de doenças como obesidade, ansiedade, depressão, doenças cardiovasculares e até ao uso de drogas de abuso.

EIXO HPA (alegórico)

O Estudo

Esse trabalho se orientou em observar trabalhos que traziam a comparação da prática do Yoga com outros exercícios de baixa intensidade, como caminhada, dança e bike. Importante frisar que diferentes abordagens do yoga foram implementadas, umas mais ligadas à fisicalidade, outras à espiritualidade. Como corte para a revisão, os estudos selecionados utilizaram as asanas como intervenção ao grupo experimental.

O interessante em observar é que algumas pesquisas defendem que a prática do Yoga age regulando a resposta ao estresse pelo eixo HPA e pelo SNS. Alguns estudos apresentam observada redução do cortisol na saliva, glicose sanguínea, assim como a redução de adrenalina e noradrenalina na urina. Além disso, em grupos que a prática do yoga esteve presente, houve uma significante redução da pressão sanguínea.

A defesa é que a experiência de movimento e mindfulness proposta reverta os efeitos negativos do estresse via regulação das cascatas neuroquímicas e da regulação da morte celular.

A figura abaixo resume bem as cadeias provocadas pelo estresse que estamos interessados em observar:

cascatas do estresse
O impacto do estresse no eixo HPA e SNS (Figura original do artigo)

Como o Yoga poderia estar agindo?

Uma das propostas é que a prática do yoga modifica a resposta ao estresse realizando uma transição na ação do sistema nervoso simpático para o sistema nervoso parassimpático. Exibindo uma ação oposta ao primeiro.

Embora os mecanismos para que isso ocorra não estejam bem delineados, a sugestão é que essa transição seja via estimulação direta pelo sistema parassimpático.

Os resultados observados

A prática do Yoga esteve presente em grupos com redução da glicose sanguínea em pacientes diabéticos, redução dos níveis de colesterol, alívio dos acometimentos da depressão e ansiedade, além de pacientes com transtorno obsessivo compulsivo e esquizofrenia com intervenção da prática e bons resultados nos efeitos cognitivos adversos. Embora resultados semelhantes tenham sido encontrados com os grupos sujeitos a outros exercícios físicos, o Yoga pareceu ser em alguns casos mais eficiente que as outras práticas.

Importante frisar que os estudos escolhidos continham grupos experimentais com pessoas saudáveis e com patologias associadas. Além disso, foi relevante a observação que exercícios de alta intensidade apresentaram um aumento nos níveis de cortisol salivar, embora se observasse diminuição da pontuação na percepção de estresse pelos participantes.

Isso indica que tanto a prática de yoga quanto outros exercícios agem na regulação do eixo HPA e do SNS, porém, de formas distintas.

O ponto que chegamos é que, sim, a revisão propõe uma ação do Yoga, em alguns casos, superior aos exercícios físicos aeróbicos. Contudo, algumas variáveis ainda carecem de serem controladas e repetidas em novos estudos clínicos com mais participantes envolvidos. Essas variáveis incluem a metodologia utilizada em cada intervenção, isto é, a abordagem do Yoga escolhida sem variações de método (e isso é bem complicado de controlar). Uma das discussões é que novos estudos que relacionem o Yoga com outros tipos de exercícios com vigor performático próximo e abordagens semelhantes possam trazer resultados próximos, porém, essa revisão não foi capaz de olhar para esses estudos.

Assim, responder a pergunta de que os benefícios do Yoga serem superiores a outros exercícios não é, ainda, detalhadamente e de forma direta respondida.

O que se espera para os próximos anos é que cada vez mais se possam controlar as variáveis de estudo desse universo. Assim, vislumbrando o uso do Yoga na prática clínica em larga escala. Além do mais, centenas de outros estudos observam o uso do Yoga no envelhecimento, tratamento de doenças cognitivas e como elemento relevante no que se entende hoje por saúde integrativa.

Como ficamos então?

Por hora, fiquemos também com a alimentação da prática que propõe o autoconhecimento e valorização da auto percepção. Levando também ao praticante a decisão pela adoção desta ou daquela abordagem.

#deixamover

[1] do termo em inglês, bliss.

________________________________________

Referências:

Ross, A., & Thomas, S. (2010). The Health Benefits of Yoga and Exercise: A Review of Comparison Studies. The Journal of Alternative and Complementary Medicine, 16(1), 3–12. doi:10.1089/acm.2009.0044

 

– CHEGOU ATÉ AQUI? Compartilhe o post usando os botões à esquerda e ajude a página a crescer –

– Aproveite para ativar as notificações de post. Clique no sininho vermelho no canto inferior direito da tela  –

(Ficou alguma dúvida no texto? Utilize a caixa de comentários abaixo ou escreva para contato@deixamover.com.br. Leia outros posts do site)

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *